LearnEnglishwith Us!

Start Learning!

Transparent Inglês

Atividade de escuta e leitura em inglês: Brazilian politics Posted by on Oct 31, 2018 in Avançado

Good afternoon! Boa tarde! O turbulento período eleitoral chegou ao fim, mas a discussão política está longe de ter acabado. A escolha do candidato para presidente chamou a atenção da mídia internacional, que buscou entender a ascensão da figura de Jair Bolsonaro e o apoio de seus seguidores. O post de hoje traz um texto do jornalista Tom Hennigan, do IrishTimes, sobre o resultado das eleições deste domingo.

Vamos seguir esses passo?

  1. Ouça o áudio primeiro. Tente identificar as palavras e anote-as, se quiser.
  2. Em seguida, leia o texto. Você pode ler em voz alta para praticar sua pronúncia e habilidades de fala, ou reproduzir o áudio novamente e acompanhar. Leia cada frase com cuidado e veja o que você consegue reconhecer e entender.
  3. Verifique o texto traduzido em itálico. O que conseguiu entender? Quais as partes mais difíceis? É uma boa idéia ler o texto em inglês novamente agora que você sabe seu significado completo.

Listen/ Ouça:

Part 1:

Part 2:

Part 3:

 

Brazilian presidential election tears up political rule book

Part 1: It is highly unlikely that the framers of Brazil’s “citizens constitution” would have sought to celebrate the document’s 30th anniversary with the sort of presidential election campaign that concluded on Sunday. It started with the early frontrunner, former president Luiz Inácio Lula da Silva, attempting to orchestrate his return to power from the prison cell where he is serving a 12-year sentence for corruption. After his candidacy was barred by the courts and he was replaced by his former minister Fernando Haddad the man to beat became former army captain Jair Bolsonaro, who in 30 years of public life has expressed nothing but contempt for the country’s democracy, preferring to wax lyrical about the murderous military regime it replaced.

Part 2: In the campaign’s most dramatic moment, just days after promising to execute his opponents if he won, Bolsonaro was himself almost murdered after being stabbed at a campaign rally by a emotionally disturbed individual. Though possessed of a violent temperament and owner of a myriad of proudly-held prejudices against women, gays, blacks and refugees millions of Brazilians were prepared to overlook Bolsonaro’s contempt for democratic and civic norms because he best incarnated hostility to Lula’s Workers Party.

This has become especially intense in recent years due to the party’s refusal to accept any responsibility for the economic disaster overseen by Lula’s hand-picked successor Dilma Rousseff and its continued denials despite mountains of evidence that its leadership oversaw rampant corruption during its 13 years in power.

Part 3: With precious little debate about the serious challenges the country faces, and the difficult choices that cannot be put off much longer if it is to avoid a full-blown fiscal crisis, the contest instead descended into a bitter and unedifying spectacle drenched in fake news that has left the South American nation deeply polarised. For Bolsonaro his opponents are nothing but “red bandits” and he has promised to wipe them from the map. He and his supporters in turn have been labelled fascists.

Most importantly the far right has now moved from the cranky fringe to the centre of political power. It will set the tone in the new congress and many of the newly-elected state governors have already trimmed their sails to account for the conservative gale blowing across the country. Many are unconvinced that with the end of the campaign the political temperature will drop and polarisation ease. Rather than an aberration, Brazil’s unusually vicious election might just be a curtain-raiser to a new and more divisive political era.

 

 

Eleição presidencial brasileira rasga livro de regras políticas

Part 1: É altamente improvável que os redatores da “Constituição dos cidadãos” do Brasil tenham procurado celebrar o 30o aniversário do documento com o tipo de campanha eleitoral presidencial que foi concluída no domingo. Começou com o candidato na liderança, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, tentando para orquestrar seu retorno ao poder da cela onde ele está cumprindo uma sentença de 12 anos por corrupção Depois que sua candidatura foi barrada pelos tribunais e ele foi substituído por seu ex-ministro Fernando Haddad, o homem a ser derrotado se tornou o ex-capitão do Exército Jair Bolsonaro. , que em 30 anos de vida pública não expressou nada além de desprezo pela democracia do país, preferindo ser enaltecer o regime militar assassino que a substituiu.

Part 2: No momento mais dramático da campanha, poucos dias depois de prometer a execução de seus oponentes se ele vencesse, Bolsonaro quase foi assassinado após ser esfaqueado em uma campanha por um indivíduo emocionalmente perturbado. Embora possua um temperamento violento e seja o dono orgulhoso de uma miríade de preconceitos contra mulheres, gays, negros e refugiados, milhões de brasileiros estavam preparados para ignorar o desprezo de Bolsonaro pelas normas democráticas e cívicas porque ele encarnava melhor a hostilidade ao Partido dos Trabalhadores de Lula.

Isso se tornou especialmente intenso nos últimos anos devido à recusa do partido em aceitar qualquer responsabilidade pelo desastre econômico comandado pela sucessora escolhida por Lula, Dilma Rousseff, e suas contínuas negações apesar das montanhas de evidências de que sua liderança supervisionou a corrupção desenfreada durante seus 13 anos no poder.

Part 3: Com um debate insuficiente sobre os sérios desafios que o país enfrenta e as difíceis escolhas que não podem ser adiadas por muito mais tempo para evitar uma crise fiscal total, a disputa acabou sendo um espetáculo amargo e não edificante, recheado de notícias falsas. deixando a nação sul-americana profundamente polarizada. Para Bolsonaro, seus oponentes não são nada além de “bandidos vermelhos” e ele prometeu tirá-los do mapa. Ele e seus partidários, por sua vez, foram rotulados como fascistas.

O mais importante é que a extrema direita agora passou das margens para o centro do poder político. Isso dará o tom no novo congresso e muitos dos recém-eleitos governadores de estado já buscam se ajustar para dar conta do vendaval conservador que sopra pelo país. Muitos não estão convencidos de que com o fim da campanha a temperatura política cairá e a polarização diminuirá. Em vez de ser uma aberração, a eleição extraordinariamente cruel do Brasil poderia ser apenas um cortejo de uma nova era política mais divisiva.

Read full text here: https://www.irishtimes.com/news/world/brazilian-presidential-election-tears-up-political-rule-book-1.3678996

Share this:
Pin it

Comments:

  1. Paulo Rocha:

    Excellent.
    Thanks a lot


Leave a comment: